h1

C’en est assez de ces dédoublements C’est plus dure à faire, qu’autrement Car sans rire c’est plus facile de rêver

abril 11, 2010

Hoje, 10 de abril de 2010, o Barcelona F.C escreveu um pouco mais da sua história. De maneira sútil, o conjunto culé conseguiu ganhar duas vezes consecutivas no Santiago Bernabéu. Josep Guardiola se tornou o primeiro técnico a ganhar 4 vezes seguidas o clássico do Milênio. Já escrevi sobre algumas vitórias e algumas derrotas do Madrid sobre o Barcelona. Vi a noite em que Julio Batista fez o gol da virada, tal clássico ficou conhecido pela imprensa como “la hazaña que transciede a la suerte o a inspiración de una noche”. Lembro que eu tava na casa de André, um colega, lembro também que precisava muiiiiiito daquela vitória do Barça que nunca veio… Tinha acabado de perder na PFN 2007.

Também, vi o Barça ganhar de 2 – 6 sobre o Madrid ano passado, uma noite inesquecível, a maior goleada que o Barcelona já impôs na história dos clássicos ao Real Madrid. Vi o 3 x 0 em que Ronaldinho Gaúcho saio aplaudido de pé pela torcida do Madrid. O que aquelas vitórias da temporada 2005-2006 e 2008-2009 possuem em comum? Todas elas foram o cartão de visitas do Barcelona rumo as finais da Liga dos Campeões da UEFA. Diga-se de passagem ambas vencidas, a primeira sem a o brilhantismo de Ronaldinho Gaúcho, a segunda vencida pela mentalidade de equipe do conjunto catalão.

No caminho de Santiago, como é conhecida a final desse ano no dia 22 de maio, o Barcelona mais uma vez repete seus próprios passos de sucesso. Não é segurança nenhuma pensar que já ganhou, ainda falta praticamente 1 mês e meio pela frente. Sem contar o fato de a Inter de Milão ser o oponente do Barça nas semi-finais que ainda nem aconteceram.

Vamos aos acontecimentos da partida. Afinal de contas, eu passei 3 anos sem ver o Barça ganhar do Madrid, no máximo que conseguia o Barcelona empatava. Primeiramente, a partida começou muiiiito truncada, o meio campo congestionado. Parecia que iria ser uma dessas partidas que se decidiria em um lance só, ou apenas em um erro de marcação. Para variar seria bom que se arbitragem não ajudasse, que pelo menos não atrapalhasse, mas o Barça foi pra casa com um penalti não assinalado, nem sequer uma expulsão de Xabi Alonso ou Sergio Ramos.

No duelo Cristiano Ronaldo x Lionel Messi dessa vez brilhou Messi, corria o minuto 32 de jogo quando Xavi Hernandes magistralmente lança a bola para Messi domina-la no peito e já tirar da jogada Raúl Albiol e chutar antes da chegada de Casillas. O “portero” madridista só pode mandar o time para aquele canto…

Vale ressaltar que o Bernabéu se calou ao ver o quadragésimo gol de Lionel na temporada. Pronto, nesse instante começava a se desenhar o choque entre dois modelos distintos de gestão de equipes. Como dizem na Espanha, “la cartera contra la cantera”. Não precisa dizer que a cantera, ou a divisão de base, é que saiu ganhando.

Na segunda parte três coisas não mudaram: nem o domínio do Barça, nem a ineficácia de Mejuto e nem o jogo truncado e de força paliativa do Real Madrid. A posse de bola do Barça já rondava os 60%. O que já insinuava o segundo gol de Pedrito no minuto 57 de partida proveninete, do cérebro do Barcelona F.C, Xavi Hernandes.

Vale salientar que o garoto Pedro, só pode ser considerado um garoto na idade, pois já mostrou e comprovou que pode ser decisivo para o Barcelona em jogos chaves. E poderia ter sido mais se não fosse Iker Casillas com duas paradas inimagináveis tendo a sua frente ninguém mais, ninguém menos que Lionel Messiem noite inspirada. Se hoje Messi não foi ovacionado pelo Santiago Bernabéu, ao menos fez a “afición” do Madrid abandonar seus lugares a partir do minuto 80 de partida.

Esta noite fica conhecida na Espanha como: “La suerte es sólo la muerte con una letra cambiada”. Pondo em reflexão, não apenas uma filosofia de gestão, como situações da vida em que deixa latente a sensação de momentos de sucesso, como também dias de fracasso. Sobretudo, o quanto é tênue e ilusória a linha que divide o tempo da glória e o tempo da derrota.

Neste sábado em que o Madrid só podia agarrar-se a um acidente, a um sucesso isolado e quase paranormal de suas estrelas para discutir a autoridade do conjunto Blaugrana a sorte do Madrid não funcionou. Como um dejavú, o conjunto Catalão repete sua atuação de gala, de forma a deixar sua torcida com a sensação de ter sido apenas um sonho do ano passado, mas continua sendo a REALidade azul e grinard.

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: