Archive for the ‘Barcelona’ Category

h1

Hey Loyd Im ready to be Heart Broken

abril 28, 2010

Porque, sem rir é mais fácil sonhar. Então, sonho acabou? Ou sorriso “de la afición Blaugrana” foi embora? O que era felicidade tornou-se tristeza? Não, de forma categórica a todas as perguntas. Se há tristeza que seja apenas na música “Tristeza”, e que por favor vá embora pra ontem. Todos sabiam que um dia esse momento chegaria. Em 20 anos de torneio nenhum time conseguiu revalidar seu título na Liga dos Campeões da Europa. É fato que o time acusou o cansaço graças a um vulcão que gerou um caos aéreo. Sim, que se não tivessem viajado 14h de ônibus o resultado poderia ter sido mais curto. Sem dúvida nenhuma. Mas isso não é desculpa, nunca foi e não será. Nem mesmo o gol em impedimento de Diego Milito. Até porque, Piqué também marcou em impedimento, ficamos tudo elas por elas.

Que o Barça não se classificou para a final pra mim já é passado. Presente mesmo é o orgulho que eu tenho desse time. Quando ele perde assim mesmo é grande. O jogadores disseram que deixariam a sua pele em campo. O treinador disse que seriam eles mesmos, o que significa que sairíam para atacar. E ninguém pode dizer que isso tudo não aconteceu hoje. Que ele diga que não houve continuidade ao ataque ainda assim não é demérito de ninguém. E sinceramente hoje eu vi um dos mosáicos mais belos do Camp Nou.

Concordo com Mohandas Gandhi quando ele disse: ” A satisfação está no esforço e não apenas na realização final”. Bem, ninguém pode dizer que eles não se esforçaram que a praticamente 1 ano eu só tive alegrias com Barça. Quando pra variar nada dava certo a minha volta, o Barça ganhava de tudo e de todos. Sou grato imensamente, e sou convicto em dizer, próxima temporada tem mais. Admito que sou um Homem de pouca fé, mas se tem algo que pode dar certo é este time.

Hoje é apenas um dia daqueles para recordar quando o Barça for campeão de novo. Não faço idéia de quanto tempo isso voltará a acontecer. Mas sei que o Barça seguirá sendo ele mesmo como disse Josep Guardiola. E agora finalmente, apesar de ainda haver a liga, eles vão embora da Champions sin nadie poder reprochar-los.

h1

Just my Imagination

abril 12, 2010

Pep Guardiola dijo que el secreto del equipo está en los jugadores. “El secreto de este equipo son los jugadores. Les hago correr y que jueguen todos. Son muy buenos. Mucho trabajo. Cuando no corren les denuncio y como no les gusta, corren“, concluyó.

h1

C’en est assez de ces dédoublements C’est plus dure à faire, qu’autrement Car sans rire c’est plus facile de rêver

abril 11, 2010

Hoje, 10 de abril de 2010, o Barcelona F.C escreveu um pouco mais da sua história. De maneira sútil, o conjunto culé conseguiu ganhar duas vezes consecutivas no Santiago Bernabéu. Josep Guardiola se tornou o primeiro técnico a ganhar 4 vezes seguidas o clássico do Milênio. Já escrevi sobre algumas vitórias e algumas derrotas do Madrid sobre o Barcelona. Vi a noite em que Julio Batista fez o gol da virada, tal clássico ficou conhecido pela imprensa como “la hazaña que transciede a la suerte o a inspiración de una noche”. Lembro que eu tava na casa de André, um colega, lembro também que precisava muiiiiiito daquela vitória do Barça que nunca veio… Tinha acabado de perder na PFN 2007.

Também, vi o Barça ganhar de 2 – 6 sobre o Madrid ano passado, uma noite inesquecível, a maior goleada que o Barcelona já impôs na história dos clássicos ao Real Madrid. Vi o 3 x 0 em que Ronaldinho Gaúcho saio aplaudido de pé pela torcida do Madrid. O que aquelas vitórias da temporada 2005-2006 e 2008-2009 possuem em comum? Todas elas foram o cartão de visitas do Barcelona rumo as finais da Liga dos Campeões da UEFA. Diga-se de passagem ambas vencidas, a primeira sem a o brilhantismo de Ronaldinho Gaúcho, a segunda vencida pela mentalidade de equipe do conjunto catalão.

No caminho de Santiago, como é conhecida a final desse ano no dia 22 de maio, o Barcelona mais uma vez repete seus próprios passos de sucesso. Não é segurança nenhuma pensar que já ganhou, ainda falta praticamente 1 mês e meio pela frente. Sem contar o fato de a Inter de Milão ser o oponente do Barça nas semi-finais que ainda nem aconteceram.

Vamos aos acontecimentos da partida. Afinal de contas, eu passei 3 anos sem ver o Barça ganhar do Madrid, no máximo que conseguia o Barcelona empatava. Primeiramente, a partida começou muiiiito truncada, o meio campo congestionado. Parecia que iria ser uma dessas partidas que se decidiria em um lance só, ou apenas em um erro de marcação. Para variar seria bom que se arbitragem não ajudasse, que pelo menos não atrapalhasse, mas o Barça foi pra casa com um penalti não assinalado, nem sequer uma expulsão de Xabi Alonso ou Sergio Ramos.

No duelo Cristiano Ronaldo x Lionel Messi dessa vez brilhou Messi, corria o minuto 32 de jogo quando Xavi Hernandes magistralmente lança a bola para Messi domina-la no peito e já tirar da jogada Raúl Albiol e chutar antes da chegada de Casillas. O “portero” madridista só pode mandar o time para aquele canto…

Vale ressaltar que o Bernabéu se calou ao ver o quadragésimo gol de Lionel na temporada. Pronto, nesse instante começava a se desenhar o choque entre dois modelos distintos de gestão de equipes. Como dizem na Espanha, “la cartera contra la cantera”. Não precisa dizer que a cantera, ou a divisão de base, é que saiu ganhando.

Na segunda parte três coisas não mudaram: nem o domínio do Barça, nem a ineficácia de Mejuto e nem o jogo truncado e de força paliativa do Real Madrid. A posse de bola do Barça já rondava os 60%. O que já insinuava o segundo gol de Pedrito no minuto 57 de partida proveninete, do cérebro do Barcelona F.C, Xavi Hernandes.

Vale salientar que o garoto Pedro, só pode ser considerado um garoto na idade, pois já mostrou e comprovou que pode ser decisivo para o Barcelona em jogos chaves. E poderia ter sido mais se não fosse Iker Casillas com duas paradas inimagináveis tendo a sua frente ninguém mais, ninguém menos que Lionel Messiem noite inspirada. Se hoje Messi não foi ovacionado pelo Santiago Bernabéu, ao menos fez a “afición” do Madrid abandonar seus lugares a partir do minuto 80 de partida.

Esta noite fica conhecida na Espanha como: “La suerte es sólo la muerte con una letra cambiada”. Pondo em reflexão, não apenas uma filosofia de gestão, como situações da vida em que deixa latente a sensação de momentos de sucesso, como também dias de fracasso. Sobretudo, o quanto é tênue e ilusória a linha que divide o tempo da glória e o tempo da derrota.

Neste sábado em que o Madrid só podia agarrar-se a um acidente, a um sucesso isolado e quase paranormal de suas estrelas para discutir a autoridade do conjunto Blaugrana a sorte do Madrid não funcionou. Como um dejavú, o conjunto Catalão repete sua atuação de gala, de forma a deixar sua torcida com a sensação de ter sido apenas um sonho do ano passado, mas continua sendo a REALidade azul e grinard.

h1

I´ll stop the world and melt with you You´ve seen the difference and it´s getting better all the time

abril 6, 2010

Era uma vez um garoto pequeno e com problemas de crescimento. Sua família pobre não podia pagar seu tratamento, até que apareceu uma certa equipe chamada Barcelona F.C. Diziam que ele nunca serviria para jogar futebol, não possuía físico adequado, tamanho… Durante este tempo o pobre garoto apenas se mantinha calado, introspectivo deixando os outros falarem. Quando chegou ao Barcelona e se apresentou a Carles Rexach, o mesmo que já foi técnico do Barcelona em uma dessas temporadas apagadas do Barça, o garoto foi contratado imediatamente… Seguiu um bom tempo na “cantera”, curiosamente a torcida culé não via grandes títulos serem conquistados…

Mas o garoto cresceu e segue crescendo, diga-se de passagem não muito em relação ao seu tamanho, mas sim quanto a sua reputação. Seu nome é Lionel Messi, provavelmente a imprensa o chama de Deus do futebol, mas com apenas 22 anos ainda possui um grande caminho a percorrer. Prefiro dizer que hoje ele se doutorou como Herói, e com todas as deferências que o mundo acadêmico pode oferecer, desde a laúrea até o sentimento indescritível o qual a nossa própria linguagem se torna limitada para escrever sobre o Messi(as). Sua façanha carregar o barcelona nas costas e ser o jogador mais jovem a marcar 4 gols na liga dos campeões igualando-se a Rivaldo.

Em uma dessas suas aparições históricas hoje contra o Arsenal a imprensa espanhola escreve sobre ele:

“¿Y ahora cómo lo explico eso? Esa es la pregunta que se hace el periodista cuando tiene que narrar otro, el enésimo recital, la enésima exhibición, el no va más, el… de un jovencito de 22 años que está dispuesto a hacer sufrir a los rivales que tiene por delante y a los periodistas que tenemos que explicarlo. El resto del mundo, eso si, se lo pasa pipa con él.” Sport.es

Si lo inefable es lo que no se puede explicar con palabras, Messi ya es inefable. Y si el fútbol es carácter y seda, hambre y arte, Messi es el fútbol. Messi es absoluto y a veces todopoderoso; O lo parece. En esas ocasiones es un equipo: Messi Club Barcelona. Así es este Barça, que a veces mata con exhibiciones corales y juego de geometría poética y otras se pone en manos de un jugador que es hoy por hoy superior, excelso y letal. Un asesino que pinta Picassos, un ejecutor que maneja ya todos los hilos del juego en ruta a convertirse en el jugador total por pura definición.” As.com

“Porque Wenger ató cabos pero no pudo, nadie puede, gobernar lo ingobernable.” As.Com

“La mayoría para Leo Messi, claro. Un jugador excepcional que parece estar escribiendo un capítulo de la historia del fútbol cada vez que salta al campo. Un peligro para los rivales, el siguiente en Champions el Inter, y una delicia para el Barcelona, que sin él es mucho pero con él es pluscuamperfecto, un campeón a dos partidos, una eliminatoria, de defender corona en la gran final. Fácil, difícil, duro, probable… posible. Con Messi todo es, siempre, posible para el Barça. Messi Club Barcelona.” Sport. es

“Messi descendió del cielo para poner las cosas en su sitio. Bendtner marcó el 0-1 y todo se acabó para el Arsenal, víctima de otro partido sobrehumano de Leo Messi, autor de los cuatro goles de su equipo. El argentino protagonizó una actuación descomunal guiando al Barça a semifinales, donde espera el Inter de Mourinho.” Marca.com

Messi não segue o caminho de Ronaldinho Gaúcho, que se contentou apenas em ser humano. Hoje ele é um herói tal qual aqueles da Mitologia Grega, especialmente na melhor moda de um Percy Jackson, filho de Posseidon. Sem dúvida está no caminho certo, quando faltar as palavras a serem ditas sobre suas atuações é que de fato não estará mais entre os mortais, apenas os Deuses poderão se reportar ao Messias filho de Hermes. Anunciando sua chegada ao monte Olimpo.

h1

El sueño se hace realidad. Els Gladiadors del Pep

junho 1, 2009

És lo equipo que más me hace ilusión. És por esto.

h1

Més que un Club

maio 28, 2009

Maio é o mês em que se conhece os campeões europeus. Todos os campeonatos chegam ao final e as melhores equipes se dão a conhecer. Contudo, em 27 de maio de 2009, a palavra impressionante se tornou por demasiada fraca para descrever um feito que apenas 5 equipes lograram. Quero dizer, que apenas Celtic (1966-67), Ajax (71-72), PSV Eindhoven (87-88) e por último Manchester United (98-99), conseguiram ganhar todas as competições que disputaram numa mesma temporada.

O Barcelona na temporada (2008-2009) alçou a glória e se juntou a estes times conquistando o triplete. Mostra bem o espírito com que afrontou a esta final a seguinte assertiva: Del “salid y disfrutad” de Cruyff en el 92 pasamos al “demostrad lo buenos que sois” que Guardiola disse ontem a seus jogadores.

Eu dizia em 2 de maio que o Barcelona se expressava como um grande poeta rumo a sua epopéia. Também escrevi meio descrente que aquele Barça seguia os mesmos passos daquele time campeão na temporada 2005-2006 em que fez uma grande partida no Santiago Bernabeu. A verdade veio a se comprovar hoje. Contra os fatos não há o que se argumentar.

E com maior grandeza do que nunca recitaram sua poesia ante um Manchester United sem vestígios do grande campeão que foi a temporada passada. Confesso, que por ser um Homem de pouca fé, eu preciso presenciar os fatos para poder acreditar neles.

Justamente, por isso, não escrevi sobre o Barça quando eles ganharam do Athetic Bilbao de virada na final da Copa do Rei, ou também quando conseguiram a Liga BBVA após o Madrid perder para o Vilarreal. Não gosto de comemorar as coisas antes, nem faço muitos alardes quando as vitórias chegam, mas confesso que o durante que dura o lapso de tempo das conquistas a loucura desata.

Quem diria que os primeiros 10 minutos quem mandaria no jogo seria o Manchester United. Ou, talvez, que no décimo minuto Iniesta faria um passe para Samuel Eto´o e este marcaria um gol, recortando a zaga menos vazada de toda Europa, iniciando o fim da máquina movedora do teatro dos sonhos. Também se diga que Samuel Etoo havia avisado se tivesse a oportunidade faria o gol. Cumplió su palabra el camerunés: “Si tengo una en Roma, la meteré”. Dicho y hecho.

Durante a final, o Barça foi ele próprio como havia dito Josep Guardiola. Sem dúvida uma equipe com selo de identidade. Quem iria imaginar um triplete quando há um ano atrás o Barça fazia um pasillo ao Real Madrid. Ou, quiçá um começo de temporada em que perdeu a primeira, empatou a segunda e quase perde a terceira para o o Español.

Entretanto, Pep ja o havia avisado, “sem ambição não haverá opção”. Um dos responsáveis por este dia sem dúvida é Pep Guardiola acostumado a dizer que ele sem o talento de Xavi, Iniesta, Messi e companhia não seria nada. Contudo, é justo dizer que provavelmente eles sem Pep não seriam o que são tão pouco. Com Pep o Barça pode dizer em ROMA “VINI, VIDI, VINCI”.

Mais do que justo para um garoto que iniciou sua vida no Barça sendo gandula e festejava as vitórias do Barça ao lado de Victor Muños. Passou a ser hoje um dos principais artífices da melhor temporada de todos os tempos do clube de seus amores.

O céu é Azul e Grinard desde este 27 de maio. Os heróis do Futebol Clube Barcelona elevaram aos altares da história a Terceira Copa da Europa, a conquista que faltava ao “Pep TEAM” para proclamar seu Império, o Reino dos Céus BlauGrana. O velho continente se rende mais uma vez ao Barça, uma equipe melhor do que o sonho que a criou, eleita para marcar uma época e ser uma lenda do futebol.

O Manchester representou um gladiador derrotado no Olímpico de Roma, ante um autêntico olhar de um César. ‘Los que van a morir te saludan’. Como ocorria no Coliseo que dominava o César, o Barça também já conhecia seu final. A vítima sofreu os golpes das armas Blaugrana e acabou sendo devorada, depois de se render e mostrar respeito para o resto dos seus dias.

Os diabos vermelhos não escaparam de uma final que tinham marcado com o César Blaugrana, sentenciado desde seu trono. Seu fim era anunciado e já conhecido por um MESSIas. Corria o minuto 70 da final de Roma quando um MESSI subiu sozinho a uma altura inimaginável para um jogador de apenas 1,69. Hoje não se duvida mais que Messi é melhor que Cristiano Ronaldo. Fato que os culés já sabiam desde o ano retrasado. Como também, não há mais o mito que o Barcelona não ganha de time inglês com 11 em campo.

Hoje, o Barcelona, apesar de clamar, ser mais de que um clube (Mes que un club), é sem dúvida MAIS do que uma equipe. Sem exitar, como Pep afirmou também não é o melhor time da história, mas eles jogaram a melhor temporada de sua história, ganhando os três títulos e da forma que jogaram. Quiçá esse seja o ápice de seu império, mas sem dúvida ROMA mais uma vez na história pode presenciar diante de um CAESAR: “Al César lo que es del César. El fútbol tiene un Emperador que habla catalán y español.”


<!–[if !mso]> <! st1\:*{behavior:url(#ieooui) } –>

Maio é o mês em que se conhece os campeões europeus. Todos os campeonatos chegam ao final e as melhores equipes se dão a conhecer. Contudo, em 27 de maio de 2009, a palavra impressionante se tornou por demasiada fraca para descrever um feito que apenas 5 equipes lograram. Quero dizer, que apenas Celtic (1966-67), Ajax (71-72), PSV Eindhoven (87-88) e por último Manchester United (98-99), conseguiram ganhar todas as competições que disputaram numa mesma temporada.

O Barcelona na temporada (2008-2009) alçou a glória e se juntou a estes times conquistando o triplete. Mostra bem o espírito com que afrontou a esta final a seguinte assertiva: Del “salid y disfrutad” de Cruyff en el 92 pasamos al “demostrad lo buenos que sois” que Guardiola disse ontem a seus jogadores.

Eu dizia em 2 de maio que o Barcelona se expressava como um grande poeta rumo a sua epopéia. Também escrevi meio descrente que aquele Barça seguia os mesmos passos daquele time campeão na temporada 2005-2006 em que fez uma grande partida no Santiago Bernabeu. A verdade veio a se comprovar hoje. Contra os fatos não há o que se argumentar.

E com maior grandeza do que nunca recitaram sua poesia ante um Manchester United sem vestígios do grande campeão que foi a temporada passada. Confesso, que por ser um Homem de pouca fé, eu preciso presenciar os fatos para poder acreditar neles.

Justamente, por isso, não escrevi sobre o Barça quando eles ganharam do Athetic Bilbao de virada na final da Copa do Rei, ou também quando conseguiram a Liga BBVA após o Madrid perder para o Vilarreal. Não gosto de comemorar as coisas antes, nem faço muitos alardes quando as vitórias chegam, mas confesso que o durante que dura o lapso de tempo das conquistas a loucura desata.

Quem diria que os primeiros 10 minutos quem mandaria no jogo seria o Manchester United. Ou, talvez, que no décimo minuto Iniesta faria um passe para Samuel Eto´o e este marcaria um gol, recortando a zaga menos vazada de toda Europa, iniciando o fim da máquina movedora do teatro dos sonhos. Também se diga que Samuel Etoo havia avisado se tivesse a oportunidade faria o gol. Cumplió su palabra el camerunés: “Si tengo una en Roma, la meteré”. Dicho y hecho.

Durante a final, o Barça foi ele próprio como havia dito Josep Guardiola. Sem dúvida uma equipe com selo de identidade. Quem iria imaginar um triplete quando há um ano atrás o Barça fazia um pasillo ao Real Madrid. Ou, quiçá um começo de temporada em que perdeu a primeira, empatou a segunda e quase perde a terceira para o o Español.

Entretanto, Pep ja o havia avisado, “sem ambição não haverá opção”. Um dos responsáveis por este dia sem dúvida é Pep Guardiola acostumado a dizer que ele sem o talento de Xavi, Iniesta, Messi e companhia não seria nada. Contudo, é justo dizer que provavelmente eles sem Pep não seriam o que são tão pouco. Com Pep o Barça pode dizer em ROMA “VINI, VIDI, VINCI”.

Mais do que justo para um garoto que iniciou sua vida no Barça sendo gandula e festejava as vitórias do Barça ao lado de Victor Muños. Passou a ser hoje um dos principais artífices da melhor temporada de todos os tempos do clube de seus amores.

O céu é Azul e Grinard desde este 27 de maio. Os heróis do Futebol Clube Barcelona elevaram aos altares da história a Terceira Copa da Europa, a conquista que faltava ao “Pep TEAM” para proclamar seu Império, o Reino dos Céus BlauGrana. O velho continente se rende mais uma vez ao Barça, uma equipe melhor do que o sonho que a criou, eleita para marcar uma época e ser uma lenda do futebol.

O Manchester representou um gladiador derrotado no Olímpico de Roma, ante um autêntico olhar de um César. ‘Los que van a morir te saludan’. Como ocorria no Coliseo que dominava o César, o Barça também já conhecia seu final. A vítima sofreu os golpes das armas Blaugrana e acabou sendo devorada, depois de se render e mostrar respeito para o resto dos seus dias.

Os diabos vermelhos não escaparam de uma final que tinham marcado com o César Blaugrana, sentenciado desde seu trono. Seu fim era anunciado e já conhecido por um MESSIas. Corria o minuto 70 da final de Roma quando um MESSI subiu sozinho a uma altura inimaginável para um jogador de apenas 1,69. Hoje não se duvida mais que Messi é melhor que Cristiano Ronaldo. Fato que os culés já sabiam desde o ano retrasado. Como também, não há mais o mito que o Barcelona não ganha de time inglês com 11 em campo.

Hoje, o Barcelona, apesar de clamar, ser mais de que um clube (Mes que un club), é sem dúvida MAIS do que uma equipe. Sem exitar, como Pep afirmou também não é o melhor time da história, mas eles jogaram a melhor temporada da história, ganhando os três títulos e da forma que jogaram. Quiçá esse seja o ápice de seu império, mas sem dúvida ROMA mais uma vez na história pode presenciar diante de um CAESAR: “Al César lo que es del César. El fútbol tiene un Emperador que habla catalán y español.”

h1

Fly one Time part.2

maio 6, 2009

“La he pegado con toda mi alma y ha entrado por el único sitio”, rememoró el manchego, que definió el tanto como “un momento de la hostia”.

Andrés Iniesta