Posts Tagged ‘Diálogos’

h1

Let Love Open the Door

maio 19, 2008

 

 

Ouvi dizer que algumas coisas quando idealizadas são ótimas, mas quando de fato tornam-se realidade são simplesmente para muito além de espetaculares. Quero dizer o desejo por alguma coisa é tão forte que supera além de nossas expectativas, até mesmo o esquecimento. 

 

Em boa parte de nossa existência temos momentos bons para (re)lembrar, de fato é um privilégio poder guardá-los na memória. Nossas lembranças, na maioria das vezes, fazem ser o que somos, ou fomos, ou poderemos ser. Digo isso, pois a mémória é muito mais do que apenas uma capacidade de poder representar o passado vivenciado. 

 

Memória aqui é a coligação do pensar que permanece reunido em vista daquilo que de antemão já está pensado porque quer sempre ser tomado em consideração antes de que qualquer outra coisa. Memória é a coligação da co-memoração daquilo-que-há-que tomar-em-consideração antes de todas as demais coisas.  (Martin Heidegger:  Qué quiere decir pensar ?)

 

O que deve ser tomado em consideração antes de todas as demais coisas é o ser. Antes de tudo há ser (es gibt). O azul só se constitui como azul, pois ele antes de tudo “É” azul. Como também, Ser igual é diferente de ser, entende? Ser igual  refere-se a algo que não é a si próprio.  O ser propõe uma relação tendo como referencial a forma mais particular de se relacionar, ele mesmo. 

 

Quero dizer, antes de haver uma representação do passado, primeiro vem o que somos para nós próprios. A partir desta identidade, é possível ser único. E quando não há lembranças de quem você é? Se já é difícil para todos descobrir quem se é, em circunstâncias corriqueiras, imagina sempre esquecer todo este processo de forma involuntária? Afinal de contas, somos humanos e erramos na maioria das vezes e para podermos aprender precisamos de nossas lembranças, sem isso não evoluímos.

 

Em um dos melhores diálogos que já tive com pessoas com grande experiência na vida foi este:

-Oi vó, como está a senhora, lembra de mim?

-Não.

-Você me conheceu quando nasci, me viu quando criança. Sou R.N.

-OOOiiii meu Neto. Como você está mudado. 

-Eu também estou…O tempo passou estou velha e tão esquecida. 

-Veja o lado bom vovó, dentro de você só existem lembranças de coisas boas. 

-Ninguém guarda na lembrança por muito tempo coisas ruins.   

-Além do mais a Senhora não está velha. Apenas possui marcas do tempo…

-E estas marcas te dão o que ninguém pode tirar da Senhora. Respeito e Consideração.

-Olhe a sua volta. Ninguém possui mais tempo de existência do que a Senhora aqui.

-Perceba também o que a Senhora conseguiu construir. Estão aqui, todos os seus filhos e netos prestigiando a senhora.

-Todos encaminhados na vida e com as suas lições ensinando aos mais jovens.

-É verdade meu Neto.

-Posso fazer uma pergunta a senhora? Pode sim.

-A senhora se lembra do seu grande amor?

-Meu D… sempre está comigo no meu peito.(Ela puxa uma medalinha, com um Santinho que possuía o mesmo nome de seu amor)

 

Esse diálogo ocorreu com uma pessoa que quero muito bem e infelizmente possui Alzheimer, mas foi incapaz de esquecer seu grande amor construído ao longo de uma vida. É raro um casal sobreviver ao tempo e depois com o amor construído ultrapassar uma distância considerável. 

 

Temos vários tipos de memória como a muscular para as coisas cotidianas do dia. Emocional para as coisas que simplesmente seu corpo sabe, como quem de fato você amou durante sua vida inteira. Mas há  no recôndito do espírito do homem, onde se acham suas experiências mais marcantes, a memória do que constitui o seu ser. Felizmente, neste lugar, a lembrança é mais forte que qualquer esquecimento, guardando sempre  na memória as pessoas amadas, ou quem se amou, não importando qualquer adversidade ao recordar sua vida. Para mim ver isso é espetacular.

 

Anúncios
h1

I look at the world and I notice it’s turning While my guitar gently weeps. I don’t know how you were inverted No one alerted you.

fevereiro 17, 2008

No início, Deus criou o céu e a terra. Pelo menos é o que dizem.
Ele criou as aves do céu, e as criaturas da terra.
Então, Ele olhou para a sua criação, e viu que aquilo era bom.

Então, Deus criou o homem, que vem descendendo desde então.

A história fala também que Deus criou o homem espelhando em sua própria imagem.

Mas, não há muitas coisas que provem isso.

Afinal de contas, Deus fez o sol, a lua e as estrelas

e tudo que o homem faz é bobagem.

E quando um homem se vê enrascado, que é na maior parte do tempo…

Ele se volta para algo maior do que ele,

amor, ou destino ou religião, para tudo fazer sentido.

Mas para um cirurgião, a única coisa que faz o mínimo sentido é…

Medicina.

Como médicos, sabemos mais sobre o corpo humano agora

que quem qualquer outro ponto da história.

Mas, o milagre da vida mesmo… Por que as pessoas vivem e morrem,

por que machucam ou são machucadas, ainda é um mistério.

Queremos saber o motivo, o segredo, a resposta na capa traseira do livro…

Porque o pensamento de nós aqui sozinhos, é demais para suportarmos.

Por alguma razão, a vida parece fazer mais sentido quando olhamos pra um bebê. No final do dia…

O fato de nos mostrarmos uns aos outros, mesmo com nossas diferenças,

não importa no que acreditamos, é a razão suficiente…

para continuar acreditando.