Posts Tagged ‘Picasso’

h1

Now my feet won’t touch the ground Now my head won’t stop You wait a lifetime to be found Now my feet won’t touch the ground

dezembro 28, 2008

Gostaria de contar uma história sobre uma palavra constante em todosos momentos. Nela há um desejo incontrolável, intenso e imprevisível pelo que se faz sentir. A idiossincrasia gostaria de realizar tudo que se dispôs a fazer. Contudo, existia um impasse no seu querer, uma pequena particularidade. O tempo não deixava seu querer coadunar-se com o acontecer das coisas.

Possuía muitas facilidades aos olhos dos demais, menos no que ela gostaria de conquistar, de nada servia suas conquistas para o novo, este era o seu grande calo. Tudo que já havia conquistado, ou conquistaria não serviria para novas conquistas. Seu impressionar teria de ser feito do zero, a partir de si mesma. Como atrair a atenção com sua sutileza mostrando apenas o que importa e quase ninguém dá valor? E, ainda assim, ser verdadeira.

Talvez, resida neste ponto toda a sua raridade. Recomeçar sempre do zero, deixando tudo que havia sido conquistado de lado, é mais do que um desafio. Que valor há nisso? O que faz pensar que exista algo que valha a pena? A idiossincrasia sempre procurava provar seu valor. Das formas mais inusitadas com uma pitada de irreverência. Dentro de si acreditava que podia ser um catalisador. O zero em si mesmo é a negação de si próprio, entretanto três zeros a direita com um cinco a esquerda tem-se cinco mil. A idiossincrasia prova do seu valor a tudo e a todos, mas poucos percebiam o que de fato ela proporcionava em seu modo de ser. Catalisar as coisas era seu maior objetivo.

Do nada a idiossincrasia acompanhada da catarse catalisa mais do que um solipsismo. Pode ser o sonho que se faz realidade. A idiossincrasia acompanhada da percepção é como uma janela aberta para o que ninguém viu antes. A idiossincrasia acompanhada do reflexo faz catalisar aquela boa vibração que sentimos quando algo corresponde as nossas expectativas. A idiossincrasia ao lado da amizade se torna mais humana ao catalisar o amor fraterno que aceita sem pedir nada em troca. A idiossincrasia ao lado do amor brilha por demonstrar sua força diante do cansaço em recomeçar a busca por novas conquistas.

A idiossincrasia como a particularidade das particularidades atrai por sua peculiaridade. Nesse mundo invertido, e que ninguém reparou sua maior atração é pelo diferente. Acredita ser um privilégio encontrar quem possa fazer a diferença. Seja no pensar de forma sincera e sem medo de externar suas opniões críticas, seja de forma originária. Como o arquiteto Gaudí se inspirana originalidade das coisas:

“La originalidad consiste en retornar al origen; de manera que el original es aquel que con sus medios retorna a la simplicidad de las primeras resoluciones”.

A idiossincrasia procura a originalidade para abraçar a simplicidade. No fundo, as coisas mais difíceis de dizer ou descrever são as mais simples e exigem personalidade para serem ditas. No fundo a idiossincrasia tem apenas um desejo ver e ser vista apenas pelas pessoas que valem a pena. Que não se contentam em apenas usar palavras para impressionar, mas que de fato façam acontecer. Não precisa transformar o amanhã em hoje, mas que o hoje seja tão intenso quanto o a esperança do por vir do amanhã.

Na estrada que escolheu percorrer a idiossincrasia encontra provisoriamente portas fechadas, alguns objetos não caem mais no seu colo como antigamente. O universo disse a ela para usar mais sua inteligência. Os ventos da mudança não a intimidam. Não serão algumas contigências imprivisíveis que irão pará-la. Das contigências há a adrenalina de sempre lidar com o desconhecido e agradece pela oportunidade de sair da mesmice.

A idiossincrasia é esta menina de vestidinho azul, com cabelo solto, com olhos sinceros. Ela não teme a batalha do tempo ao aliar o seu querer ao tempo do acontecer. Pois, não teme perde. A cada etapa do seu caminho encontrar na meta escolhida o desfrutar do trabalho de sua grande obra sendo realizada a cada dia. A cada passo dado não se acanhe diante de algum medo, e que saiba encontrar prazer nas adversidades de sua juventude. Seu maior sonho é poder contar que o privilégio encontrado chegou antes de sua meta ser conquistada.

Ao som de: Frejat – Amor pra Recomeçar

h1

I dont mind steal bread from the mouth of decadence

julho 26, 2008

(…) Oh, podem estar certos de que Colombo foi feliz não no momento em que descobriu a América mas quando estava descobrindo; podem estar certos de que o momento mais elevado da felicidade foi, talvez, exatamente três dias antes do descobrimento do Novo Mundo, quando a tripulação rebelada, tomada de desespero, por pouco não mudou o curso do navio de volta para a Europa! Aí a questão não está no Novo Mundo, embora ele tenha se arruinado. Colombo morreu quase sem vê-lo e, no fundo, sem saber o que havia descoberto. A questão está na vida, apenas na vida – no seu descobrir-se, contínuo e eterno, e de maneira alguma na sua descoberta! (…)
Dostoiévski
h1

Prove Yourself

junho 1, 2008


‘Si necesitas de la suerte, entonces es mejor que empieces a trabajar’
Picasso

h1

So Happy Together

maio 26, 2008

So called Mr Rock And Roll
Is dancing on his own again
Talking on his phone again
To someone who tells him that his balance is low
He’s got no where to go
He’s on his own again

Rock chick of the century
Is acting like she used to be
Dancing like there’s no one there
Before she never seemed to care
Now she wouldn’t dare
It’s so rock and roll to be alone

And they’ll meet one day
Far away
And say “I wish I was something more”
And they’ll meet one day
Far away
And say ” I wish I knew you, I wish I knew you before”

Mrs Black and White
She’s never seen a shade of grey
Always something on her mind
Every single day
But now she’s lost her way
And where does she go from here

Mr Multicultural
Sees all that one can see
He’s living proof of someone
Very different to me
But now he wants to be free
Free so he can see

And they’ll meet one day
Far away
And say “I wish I was something more”
And they’ll meet one day
Far away
And say “I wish I knew you, I wish I knew you before”

He says “I wish I knew you, I wish I met you
When time was still on my side”

She’ll say ” I wish I knew you, I wish I loved you
Before I was his bride”

And so they must depart
Too many more are broken hearts
But I’ve seen that all before
In TV, books and film and more
And there’s a happy ending
Every single day

And they’ll meet one day
Far away
And say “I wish I was something more”
And they’ll meet one day
Far away
And say “I wish I knew you, I wish I knew you before”

h1

I am so much older than I can take And my affection, well it comes and goes I need direction to perfection, no no no no

maio 14, 2008

 

 

As Liberdades Essenciais
As liberdades essenciais são três: liberdade de cultura, liberdade de organização social, liberdade económica. Pela liberdade de cultura, o homem poderá desenvolver ao máximo o seu espírito crítico e criador; ninguém lhe fechará nenhum domínio, ninguém impedirá que transmita aos outros o que tiver aprendido ou pensado. Pela liberdade de organização social, o homem intervém no arranjo da sua vida em sociedade, administrando e guiando, em sistemas cada vez mais perfeitos à medida que a sua cultura se for alargando; para o bom governante, cada cidadão não é uma cabeça de rebanho; é como que o aluno de uma escola de humanidade: tem de se educar para o melhor dos regimes, através dos regimes possíveis. Pela liberdade económica, o homem assegura o necessário para que o seu espírito se liberte de preocupações materiais e possa dedicar-se ao que existe de mais belo e de mais amplo; nenhum homem deve ser explorado por outro homem; ninguém deve, pela posse dos meios de produção e de transporte, que permitem explorar, pôr em perigo a sua liberdade de Espírito ou a liberdade de Espírito dos outros. 
Agostinho da Silva, in ‘Textos e Ensaios Filosóficos’
h1

Stormy Weather

maio 7, 2008


To be, or not to be, that is the question:
Whether ’tis nobler in the mind to suffer
The slings and arrows of outrageous fortune,
Or to take arms against a sea of troubles
And by opposing end them.(…)

W. Shakespeare

h1

Don’t let him know that you love him Oh, don’t be a fool, don’t be blind Heart of mine

abril 23, 2008


“A idade não tem realidade, salvo no mundo físico.
A essencia do ser humano é resistente à passagem do tempo.”

…Amor nos tempos de Cólera…