Posts Tagged ‘Skank’

h1

Assim Sem Fim

abril 23, 2010

Wer immer verliert, muss irgendwann gewinn’.

Anúncios
h1

Se a sorte lhe sorriu porque não sorrir de volta? Você nunca olha a sua volta…

dezembro 6, 2009

If you let your feelings go, dear
It’s scary what you’ll find
I find, I’m on your street, dear
And you’re always on my mind

And no one need to know
That you let me in tonight
That you let me see the world
That you let me see the world
Behind your eyes

I want to see us work, dear
To reach the other side
Our treachery is love, dear
We’re on both ends of the fight

We’re fighting for ourselves
Fighting for our lives
Would you let me see
The world behind your eyes

And no one needs to know
How scared we are tonight
Would you let me see the world
Behind your eyes

h1

Nesse jogo de reflexos a certeza me distrai… part 2

agosto 24, 2008


A linha que divide a maldade da franqueza, nas nossas relações cotidianas, se chama intenção. Quais são nossas intenções por detrás das palavras aparentemente sinceras que proferimos?
Ajudar o outro? Abrir seus olhos? Mostrar-lhe um novo ponto de vista? Ou apenas humilhar o outro para disfarçar nossa própria pequenez? Ou tudo isso ao mesmo tempo? Com um naco de reflexão, aposto que manteríamos nossas bocas bem mais fechadas.

Stella Florence (http://itodas.uol.com.br/)

Heráclito também disse quase a mesma coisa: “A verdadeira constituição das coisas gosta de ocultar-se.” Quando ele diz a verdadeira constituição refere-se ao Ser, tal qual feito por Heidegger, quando afirma: “(…) a analítica existencial do Dasein mobiliza igualmente uma tarefa, cuja urgência não é menor que a questão do ser, a saber, a liberação do a priori, que se deve fazer visível, a fim de possibilitar a discussão filosófica da questão ‘o que é o homem.”

h1

Conhece a ti mesmo E eu me conheço bem…

junho 3, 2008

A Perspectiva da Verdade e da Moral

Quando se é demasiado jovem, não se julga bem; demasiado velho, o mesmo. Se não se pensa nisso o suficiente, se se pensa demais, teimamos, e encasquetamo-nos. Se se considera a própria obra logo depois de se ter feito, está-se ainda muito preso a ela, se muito tempo depois, não se entra mais nela. Assim os quadros vistos de longe demais e de perto demais; e há apenas um ponto indivisível que é o verdadeiro lugar: os outros estão demasiado perto, demasiado longe, demasiado alto, demasiado baixo. A perspectiva marca-o na arte da pintura. Mas na verdade e na moral, quem o marcará?

Blaise Pascal, in “Pensamentos”