Archive for the ‘Filmes’ Category

h1

Don’t know why There’s no sun up in the sky Stormy weather

julho 4, 2010

Mas, de alguma forma, parece que estamos sempre falando do passado.

O passado não me interessa.

E o presente? Mal posso esperar que acabe.

É uma ‘fossa total’!

Bom, esta noite é uma exceção.

O quê?

Essa noite, sim! O presente, não!

Vamos beber a essa noite!

A essa noite.

Se o passado não conta e o presente é uma ‘fossa total’, e o futuro?

Que futuro? Cuba pode nos mandar pelos ares.

A morte é o futuro. Desculpe. Não quis ser deprimente.

Não é deprimente. É verdade. Pode não ser seu futuro imediato, mas é o que todos compartilham.

O futuro é a morte.

Acho que está certo.

Se alguém não gosta do presente, não há muita chance do futuro ser melhor.

É, já pensei nisso. Mas a verdade é que nunca se sabe.

Veja essa noite. Na verdade… Me sinto sozinho a maior parte do tempo.

Mesmo?
Sim.

Sempre me senti assim.

Nascemos sozinhos, morremos sozinho.

E enquanto estivermos aqui, estaremos totalmente vedados nos próprios corpos.

Realmente estranho.

Pensar nisso me deixa louco.

Só podemos vivenciar o mundo exterior através da percepção parcial que temos.

Quem sabe o que realmente gosta?

Só vejo o que acho que você gosta.

Sou exatamente o que aparento ser. Se olhar bem de perto.

A única coisa que fez a tudo valer a pena foram aquelas poucas vezes que fui capaz de me conectar de verdade com outra pessoa.

Tive uma intuição sobre o senhor.

– Teve?
– Sim, senhor.

De que você pode ser um verdadeiro romântico.

Sabe, todo mundo sempre diz que, quando se está mais velho, terá toda essa experiência, como algo fantástico.

Grande merda, a cada dia nos tornamos mais insensatos.

– Mesmo?
– Definitivamente, sim.

Então toda sua experiência é inútil?

Eu não diria isso.

Como diz Sr. Huxley: (Aldous Huxley, “After Many a Summer”)

“A experiência não é o que acontece ao homem, é o que homem faz com que aconteça a ele.”

Anúncios
h1

Bookends

outubro 6, 2009

Time it was and what a time it was it was,
A time of innocence a time of confidences.

Long ago it must be, I have a photograph
Preserve your memories, theyre all thats left you

h1

Time is on my side, Yes it is…

dezembro 30, 2008

Um homem como todos os demais, incapaz de parar o tempo. O curioso caso de Benjamin Button é a história de um viajante sobre as pessoas e lugares que ele encontra ao longo do seu caminho, os amores, as perdas, as buscas da alegria da vida, das suas tristezas e da morte dos que estão a sua volta.

Sobretudo, o conto versa sobre o que realmente dura além do tempo? Nada dura para sempre. Mas o que importa na vida tem sua intensidade e seu momento. A idéia do filme é genial. Criar um ser humano já nascido velho. Em sua infância Benjamin desfruta de toda compreensão da experiência e dos erros dos que possuem mais vivência. E a medida que o tempo vai caminhando, há um rejuvenescimento do personagem. No final da vida, ao em vez de lamentar não ter vivido tudo que podia, poder de fato realizar a experiência vivida com a força da juventude.

Toda essa originalidade subverte a idéia da frase que me faz ter a angústia do tempo e do reconhecimento de quão limitado sou: “Se a juventude soubesse, se a velhice pudesse” (Henri Estienne). A mudança ocorre na partícula se, ao extirpar os limites da incapacidade humana. Seja em que função sintática for condicional, apassivadora, subordinativa, ou não a frase sem esta angústia deixa a compreensão mais agradável e a vontade para significar.

Sem esse “se” a frase ganha uma nova sintaxe. A idéia do filme faz do “se” o sentir do jogo da linguagem do ser. Como no Teatro Mágico: “Sintaxe a vontade” perante o tempo vivido. Há no filme uma metáfora viva criadora de seu próprio significado confortador, no melhor estilo de Paul Ricoeur.

A metáfora da juventude vivida sem sua inexperiência, mas com sua garra de sempre poder expandir e vivenciar novos horizontes, depois da passagem do tempo. É como ter mais um Ás na manga para enganar o tempo, não só se restringindo à ter filhos e poder fazer deles algo melhor do que fomos. É poder cantar Amor pra Recomeçar pensando que o cedo não se resumi a um início:

Eu te desejo
Não parar tão cedo
Pois, toda idade tem
Prazer e medo…
Se no filme No Country for Oldmen (Onde os fracos não tem vez) o tempo foi revelado na arte revelando a perseguição inautêntica perante o ser humano. The Curious Case of Benjamin Button é a forma mais ilustrativa do que consta em Tempo e Ser de Martin Heidegger: “Ser é tempo”. A história desvela o quão importante é reconhecer e respeitar o próprio tempo. Não é apenas dizer tudo tem seu tempo. Dizer isto, resume-se a nomear o tempo e nada mais.

Em Tempo e Ser, Heidegger diz:

Nomeamos o tempo, quando dizemos: “Cada coisa tem seu tempo”. Isso quer dizer: cada coisa, que sempre é a seu tempo, cada ente vem e vai em tempo certo e permanece por algum tempo durante o tempo que lhe é dado por parte. Cada coisa tem seu tempo.”

A história faz o sentir do tempo de oportunidades legadas pela vida. É dizer, o tempo do kairós. O filme tem um trecho de grande significação. Como Benjamin não se permitiu acompanhar a história de sua filha, deixou para ela o mais importante aprendizado obtido desde a época de seu nascimento.

A sua existência ensina o fazer perceber o que realmente importa na vida. O valer a pena não pode ser conciliado com o tempo de Cronos. Pois, as oportunidades sempre se pautam em um acontecer do kairós. Ser quem realmente se quer ser. Não importa apenas ser no interior de sua personalidade, mas sim externar isso de modo a reconhecer e agir como tal.

O filme revela nunca ser tarde para começar novos projetos deixando as tristezas em uma agenda que não se abre mais. Importa ter mais energia e amor pelo feitos vividos, do que se preocupar com contigências. É possível a cada experiência vivida de tempos em tempos se possa mudar o que se acredita, mas há o livre arbítrio para permanecer igual. A verdade é que diante de assuntos da vida não há tantas regras quanto se imagina. Talvez, regras mesmo sejam importante para a convivência, mas não para o viver.

A grande mensagem do filme aborda a preocupação tão constante em alguns, a perda de tempo. Nunca se perde tanto quando dedica-se a algo que deu errado. O tempo é um dos bens mais preciosos do ser humano. Mesmo assim, até mesmo na sua perda que haja a possibilidade de fazer e dar o melhor de si mesmo. Talvez, esta seja a grande diferença a ser feita para dar intensidade e relevo as marcas deixadas pelo tempo. Como Vinícius de Moraes em “soneto do amor”: Mas que seja infinito enquanto dure. Neste caso que seja intenso para marcar.

(The Curious Case of Benjamin Button)

For what´s worth it is never to late, or in my case to early
Be who ever you wanna be
There´s no time limit start whatever you want
You can change or stay the same
There are no rules to this thing
You can make the best of waste time
I hope you make the best of it
I hope you see things that startle you
I hope you feel things that you never felt before
I hope meet people with different point of view
I hope you live a life you proud of
if you find that you´re not, i hope you have strength to start all over again…

Para o que vale a pena nunca é tarde demais, ou no meu caso cedo
Seja quem você quiser ser
Não há um limite no tempo para começar o que você quer
Você pode mudar ou permanecer o mesmo
Não há regras para isso
Você pode fazer o melhor da perda do tempo
Eu espero que você faça o melhor disso
Eu espero que você veja coisas que te surpreendam
Eu espero que você sinta coisas que você nunca sentiu antes
EU espero que você conheça pessoas com diferentes pontos de vista
Eu espero que você viva uma vida que te orgulhe
E se você descobrir que não, espero que você tenha forças para começar tudo denovo…

h1

This time, this time, Turning white and senses dire…

dezembro 21, 2008

Ensaio Sobre a Cegueira (BlindNess)

I dont wanna know what you look like…
And how can we know which other.
I know that part inside of you with no name
and thats what we “are”, right ?!?!?

Eu não quero saber como você se parece…
E como poderemos nos conhecer.
Eu conheço aquela parte dentro de você sem nome
E isto é o que nós “somos”, certo ?!

O que realmente importa ver?
Ao som de: Beirut – My Family’s Role In The World Revolution

h1

Breath in breathe out tell me all of your doubt everybody leads this way just the same… We push and pull, and fall down sometimes

maio 22, 2008
Felicidade

Eu sempre me perguntei,

quando uma borboleta deixa a segurança de seu casulo,

se dá conta de quão bela se tornou,

ou ainda se vê como uma lagarta?

Quando era criança sabia o segredo para uma vida feliz.

Seguir as regras e se esforçar na escola.

E se você se esforçar na escola, então seu prêmio é… estudar mais…

Depois de estudar mais, te dão o melhor que a vida pode oferecer.

Um emprego, dinheiro e um futuro.

E a vontade de sempre perseguir ter…

MAIS.

Era por isto que vivia.

Minha vida feliz.

Invejava aqueles que nunca a questionaram.

Eu? Precisava de uma saída.

E então, da onde vem a mudança?

E como a reconhecemos quando acontece?

As vezes, estar completamente perdido,

pode ser uma experiência libertadora.

(Algumas vezes arriscar tudo é a única escolha que se tem.)

Prazer

Desde que me lembro …

Nunca perdi uma briga

Não lutava bem por que era mais alto, rápido ou mau.

Lutava bem por que conseguia ver o futuro.

O problema em ver o futuro é que acontece aos poucos,

como um reflexo, em um espelho quebrado.

Depois de um tempo é como se jogasse um jogo em sua mente.

Você joga várias vezes, aprende todos os movimentos.

E não importa o que o o futuro mostre.

Não se pode mudá-lo.

E algumas vezes…

As coisas que não se pode mudar, acabam fim de tudo mudando você.

Quando se consegue ver o futuro, acha que é capaz de mudá-lo.

Mas é apenas uma testemunha dos momentos que estão por vir,

incapaz de ajudar.

Mesmo que queira.

E talvez, nem queira.

As vezes você acha que deveria aprender algo.

Sobre paciência ou distância.

Mas no final é tudo sobre disciplina.

Ver coisas que nem sempre se quer.

E apenas seguir em frente.

Após um tempo, as coisas ficam mais fáceis.

A rotina impede a sua mente de desviar-se.

Começa a aceitar as coisas como elas são.

Todo homem tem o seu destino.

Não há como escapar. Mesmo que possa vê-lo chegar.

Então, para que o esforço quando sabe o que vai acontecer?

Ver o destino de uma pessoa chegar a um propósito?

Ou, é como assisitir um filme que sabe simplesmente como termina.

E, então aconteceu algo!

Pela primeira vez, o destino dá uma volta e vejo algo estranho e novo.

Um futuro onde qualquer coisa pode acontecer.

É uma coisa linda, e a sensação que me dá

é poder sentir o mais próximo que já estive…

do Prazer.

(Cicatrizes são como um mapa para a alma)